SEO para Content Creators

seo para content creators

Quais são os pontos-chave de SEO para Content Creators que vão favorecer um artigo nos rankings dos motores de busca? É esta a pergunta que vamos responder neste artigo.

Quando se pensa em otimizar para motores de busca, a primeira coisa que vem à mente são seguramente as keywords (palavras-chave). Faz sentido: se as pessoas procuram, precisamos de ter algum nível de correspondência nos conteúdos de um website. Mas o SEO para Content Creators engloba uma série de boas práticas e técnicas que vão melhorar as possibilidades de sucesso de um artigo.

A correspondência entre conteúdo e keyword tem regras específicas de composição e é por essa razão que escrever um artigo SEO Friendly não se resume a colocar umas quantas vezes a palavra-chave. Há posicionamentos concretos, níveis de densidade (o número de vezes que a palavra surge face ao tamanho global do conteúdo) e a arte de utilizar essa mesma palavra num contexto gramatical que seja amigável para o leitor (o que é, na maior parte das vezes, o maior desafio).

Atualmente, a Google tem em consideração a “naturalidade” da linguagem, assim como a semântica de um artigo. Olha, por exemplo, para palavras sinónimas. E incentiva a utilizá-las, ao invés de espetarmos com a keyword vezes sem conta. Esta prática, aliás, pode ser classificada como keyword stuffing e prejudicar os esforços SEO.

Por outro lado, no âmbito do SEO para Content Creators, a estrutura de um artigo é essencial, criando uma hierarquia de relevância na informação. Isso é facilmente aplicável através de títulos e subtítulos, tal e qual como uma normal notícia que lemos no jornal.

Para quem utiliza um CMS, em específico WordPress, há diversos plugins que nos ajudam em todo este processo, dando indicações de como otimizar o texto. É algo que facilmente acrescentamos no backoffice, mas, acima de tudo, é importante ter o mindset da escrita digital, amiga dos motores de busca. Este é um skill essencial para um criador de conteúdos.

Estratégia de Keywords

A Google será tão mais poderosa quanto melhor entregar os conteúdos que procuramos na rede. Daí que exija correspondência e coerência de conteúdos, assim como credibilidade da informação. O algoritmo foi evoluindo sempre nesse sentido e não é por acaso que a expressão “Content is King” foi tantas vezes pronunciada na última década.

Não se esqueça que quando falamos de keywords não estamos obrigatoriamente a falar de uma palavra. Na realidade, as denominadas long-tail keywords, uma composição de palavras, são muito mais enquadráveis numa abordagem de sucesso, em especial para um website recente, sem grande histórico ou Autoridade de Domínio.

Será muito mais fácil rankear numa busca composta (Vinho do Alentejo com Casta Touriga Nacional) do que apenas para a palavra vinho, onde existe uma feroz competição. No início de um site, a estratégia pode passar por uma lógica de nicho que permita almejar melhores classificações nos rankings.

No SEO para Content Creators importa também perceber se existem efetivamente buscas para a keyword que queremos. Algo demasiado específico pode simplesmente não ter procuras na rede. Para o ajudar, a Google tem a ferramenta Keyword Planner, mas está apenas disponível para quem tenha uma conta de Google Ads. Não desespere! Pode utilizar esta ferramenta gratuita para fazer a sua análise, embora tenha um limite na versão gratuita: Ubbersuggest.

Para além destas ferramentas, poderá aprender muito simplesmente ao fazer pesquisas no Google. Ele vai dizer quantos resultados existem, o que lhe dará uma ideia da concorrência que terá de enfrentar. E, já agora, veja as sugestões em auto complete, que lhe podem dar outras ideias de keywords ou conteúdos para trabalhar na sua estratégia de Content Marketing.

Ecossistema SEO

O SEO não vive apenas da estrutura dos conteúdos. De forma genérica, pode ser organizado em quatro eixos centrais:

SEO Técnico:

Aspetos relacionados com o desenvolvimento do website e com as tecnicalidades do servidor, por exemplo. Questões como os URL canónicos, facilidade de indexação, introdução de um certificado de segurança https, controlo do ficheiro robots ou geolocalização, entre outros.

Aqui entram também componentes como a velocidade do site (cada vez mais relevante e especialmente importante na última atualização do algoritmo), adaptação para dispositivos móveis ou usabilidade do website, etc.

SEO Onpage:

Esta é a área onde o Content Creator terá mais controlo. Como já referido acima, é importante controlar as keywords e a estrutura do artigo. Mas há ainda outros fatores que podem ajudar. Por exemplo, incluir no texto links internos para outras zonas do site (e vice-versa, já agora) e ter igualmente alguns links externos para websites com elevados níveis de credibilidade.

A otimização das imagens é outro dos aspetos relevantes e tantas vezes negligenciado pelos criadores. Se a imagem vai ser mostrada num tamanho pequeno, trabalhe-a para essas dimensões. Imagens grandes apenas vão pesar no site e prejudicar a velocidade com que é lido pelos browsers.

SEO Offpage:

Entre vários aspetos que podem aqui ser referenciados, destacamos a questão do link building, uma vez que é, ainda hoje, o principal fator que vai ajudar na autoridade do artigo. A ideia é simples: se houver outros sites, em especial sites credíveis e com elevados níveis de autoridade, que linkam para o nosso, isso é considerado como um voto de confiança. Ou seja, o algoritmo vai subentender que o conteúdo é relevante, pois sites de prestígio estão a linkar para o mesmo.

Com o tempo, a qualidade dos nossos conteúdos, alavancada pelos links para a página, vai contribuir para a construção da autoridade própria da nossa página e até do nosso domínio. Há ferramentas online, como esta, que nos permitem avaliar os níveis de autoridade de um website.

A este propósito, importa assinalar que um dos últimos updates do algoritmo estava diretamente relacionado com esta questão. Foi denominado EAT (Expertise, Authoritativeness, and Trustworthiness) e tinha precisamente como objetivo favorecer os conteúdos que apresentem elevados níveis de credibilidade, onde entra igualmente a expertise do próprio autor.

Aspetos Qualitativos no SEO para Content Creators:

Finalmente, há um quarto aspeto que deve preocupar o Content Creator: os fatores qualitativos de utilização do website. Atualmente, a Google também tem em linha de conta indicadores como as taxas de rejeição de um artigo ou o tempo em página. É lógico: se a média de tempo na página por parte dos utilizadores é mais elevada, então o conteúdo terá interesse.

O autor tem a obrigação de conseguir captar a atenção do leitor de forma imediata, por exemplo com títulos apelativos, e também de diversificar os recursos multimédia, através de imagens e, muito especialmente, utilização de vídeo, que é um dos grandes instrumentos de manutenção das pessoas na página.

Estes dados podem ser facilmente visualizados no Analytics. Peça ao developer para implementar esta conexão e aproveite para sugerir também a ligação à Search Console, outra ferramenta gratuita da Google cujo propósito é analisar a componente orgânica do website, ou seja, as visitas que resultam das procuras feitas nos motores de busca.

Não é preciso ser um expert em métricas, mas consultar estas plataformas serve seguramente para o aproximar de uma visão compreensiva do que é o SEO e dos resultados concretos dos artigos que escreve.

Boas Práticas de SEO para Content Creators

De forma resumida, aqui ficam algumas orientações de SEO para Content Creators que devemos ter em mente quando escrevemos um artigo que se quer otimizado para motores de busca:

  • Escreva artigos com substância. A Google reconhece e favorece artigos mais extensos e, lá está, bem estruturados. Tente que tenha pelo menos 600 palavras, mas esteja consciente de que, para chegar à primeira página, o seu artigo terá de ter qualidade e estar bem organizado.
  • Crie títulos amigos dos motores de busca. Este deve obviamente ser apelativo para o leitor mas também SEO Friendly. Uma forma muito simples de otimizar é definir a estrutura de URLS do website para um formato domínio/nome do artigo. Isto pode ser feito no backoffice do seu CMS. Os títulos não devem ser demasiados extensos, de modo a não serem cortados quando são mostrados no motor de busca. Aponte para um tamanho máximo de 65 caracteres.
  • Utilize a Meta-Description em cada um dos seus artigos. Este é o texto que surge por baixo do título quando fazemos uma busca nos motores de pesquisa. Se nada fizer, estes vão retirar automaticamente do website, mas essa pode não ser a solução ideal. Através de um plugin de SEO, pode facilmente controlar a descrição. Deve sempre usar a sua keyword nesta descrição e não ultrapassar os 160 caracteres.
Google meta description - SEO para content creators

Nota: Embora a Google refira que a Meta-Description não é um fator de rankeamento, esta é uma oportunidade de cativar o leitor e de melhorar a denominada CTR (Click-Through Rate), ou seja, a percentagem de pessoas que clicam no artigo face ao número de vezes que apareceu nos resultados de pesquisa. Isto será considerado um fator de qualidade pelo Google que beneficia o SEO de forma indireta.

  • Organize o conteúdo. Utilize hierarquias de títulos e subtítulos para facilitar a leitura do utilizador e dizer aos motores de pesquisa o que é mais relevante. Tecnicamente, deve apenas ter um H1 (o nível mais alto dos títulos) em cada página. E depois pode organizar os restantes entre H2 e H3, os quais já podem ser repetidos. Tente ter uma estrutura coerente.

Adicionalmente, não utilize parágrafos demasiado longos e recorra a elementos como bullet points para simplificar a leitura do utilizador. Utilize sinónimos ao invés de repetir vezes sem conta a sua keyword.

  • Diversifique os recursos. Tente utilizar imagens e vídeo nos seus artigos.
  • Utilize links. Tanto internos, para outras zonas de seu site, como externos, para sites credíveis.
  • Otimize as imagens. Para além de poderem ser muito úteis para diversificar o artigo – ninguém gosta de um longo lençol de texto, especialmente em mobile, as imagens também são consideradas pelos motores de pesquisa. Dê um nome relevante à imagem e não se esqueça de acrescentar o Alt Text, uma pequena descrição da mesma que serve para melhorar os níveis de acessibilidade, por exemplo para invisuais. A Google vai reconhecer e agradecer.

Tenha ainda em atenção que as imagens utilizadas devem sempre ser otimizadas para web e adequadas ao tamanho em que as pessoas vão ver. Isto permite ter imagens mais leves, o que vai contribuir para maior velocidade do website, um aspeto fundamental para a Google que vai fazer a diferença no ranking.

  • Utilize Social Links. Dê oportunidade ao leitor de partilhar o conteúdo nas redes sociais. Isto irá ajudar a divulgar o seu artigo. Geralmente, o modelo de blog já tem esta opção incluída. Senão procure um plugin para o efeito ou fale com o developer.
  • Não menospreze as ferramentas analíticas. Quer o Google Analytics quer a Search Console são instrumentos fundamentais para compreender a utilização do website. Aprenda a manusear ambas, pois isso também o irá ajudar a melhorar na criação de conteúdos.
  • Não duplique conteúdo. Não copie conteúdos de outras páginas do seu site, pois a Google irá identificar isso e ficará na dúvida sobre qual mostrar. No fundo estará a competir consigo próprio pelo mesmo ranking. E muito menos copie conteúdos de outros sites. Para além das questões éticas e legais, a Google também pode reconhecer o facto e dar-lhe um verdadeiro cartão vermelho.

Luís Aragão, Senior Digital Consultant

Partilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
PT